Páginas

domingo, 1 de maio de 2011

Reflexo

Receba em teus braços o meu pecado de pensar

Então perca-se comigo.

Pois meus braços são pecados puros de tanto pensamento...

Toma a minha alma nua

Ai, então, poderemos nos refletir num despir-se de almas.

Sem pudor.

Sem horror.

Mas como poderia. Uma alma tão linda conter um vestígio de horror?

Nunca se sabe o que nasce da ausência de todo resto.

Cabe a nós não nos deixarmos faltar.



Autores: Ana Souto / Rannyel Abreu domingo, 1º de maio de 2011 às 03h16min.