Páginas

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Sobre estilo


Já dizia o meu amado Mario Quintana: " Agente encontra o próprio estilo quando não consegue fazer as coisas de outro jeito ", e esse estilo tem a ver   com as nossas vivências, com as nossas atitudes com gostos musicais, sendo assim a expressão visual do que somos interiormente.
Na adolescência costumamos experimentar diversos estilos, isso naturalmente reflete o momento da vida em que estamos realmente nos descobrindo e aos poucos aprendendo o que nos deixa confortáveis, o que nos deixa bonitos, o que nos faz diferente. Não há necessidade de adornos exagerados ou comportamentos explosivos para sermos vistos, como diria Drummond: “Todo ser humano é um estranho ímpar”, e esta individualidade é muito mais perceptível quando se conhece de fato a pessoa, não me compreenda mal, o estilo reflete sim os pensamentos de alguém, mas existem muitas pessoas que apenas vestem uma fantasia e encenam gestos e sorrisos mas, por dentro são vazias.
O estilo é uma singularidade percebida e geralmente admirada. É admirável o feio sem pudor e cheio de charme ou graça; o maltrapilho cheio de postura e elegância; enfim, todo aquele que não se escondeu de seus defeitos, mas os utilizou como um tempero: o contragosto gerando sabor, fazendo a diferença e acima de tudo refletindo o seu eu .