Páginas

quarta-feira, 18 de julho de 2012

A invenção dos sexos


Este é um trecho da matéria sobre a invenção dos sexos que achei muito legal e me fez refletir sobre a imagem que se tem das mulheres na atualidade . Será que a liberdade conquistada por nós mulheres nos libera da condição de objeto?

Teorias à parte, a condição das mulheres na atualidade não é animadora. Evidente que as conquistas por liberdade de escolha no que diz respeito à própria vida e o ingresso no mercado de trabalho foram importantes. Mas parece que há um retrocesso. Por mais que tenhamos atingido muitos objetivos pelos quais se lutou, ainda somos vistas como seres inferiores. Explico: a mídia construiu a imagem de uma mulher que continua sendo objeto. Dessa vez, não somos vistas como Amélias de nossos lares, mas como aspirantes a mulheres-fruta, mulheres-silicone, mulheres-pedaço de carne. Mulheres descartáveis, objetos sexuais usados e jogados fora. Existe também o discurso de que mulheres não devem ser somente um corpo, mas também um cérebro: devem, por isso, estudar, ler, ser excelentes mães, esposas, filhas, amantes. No entanto, a imagem de símbolo sexual ainda se sobressai. Não digo moralisticamente que mulheres devem adotar um comportamento puritano. Digo apenas que, ao se comportar como um pedaço de carne, não estamos demonstrando respeito às conquistas femininas obtidas até hoje. De nada adiantaram as mortes, prisões, protestos de nossas antepassadas. Continuamos sendo subjugadas, inconscientemente, por uma indústria que nos imagina apenas como um corpo e não como seres pensantes, capazes de transformar o mundo não atrás, mas ao lado dos homens. Por que ser diferente deles, não é atestado de inferioridade.



Material consultado

Revista Sociologia: ciência e vida. Número 33, fevereiro de 2011.